viva-bicho-81

Viva Bicho

viva-bicho

Viva Bicho

Publicidade Posts

tmw-telecom

TMW Telecom

Cada um com sua razão

Com promessa de garantir recursos para a saúde, educação e segurança, Executivo estadual propõe reduzir percentuais repassados aos poderes Legislativo e Judiciário e situação movimenta o cenário político no Estado, principalmente na Comissão de Finanças da Assembleia.

Cada um com sua razão
(Foto: Divulgação)

De um lado, o Executivo, precisando de todo jeito reduzir gastos. Do outro lado os poderes que recebem o duodécimo afirmando que se houver redução nos percentuais repassados haverá graves prejuízos para a população. Pelo lado do Centro Administrativo do governo, os secretários de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, e da Fazenda, Paulo Eli, realizando reuniões e emitindo documentos em que afirmam, com base em dados e em cálculos, que é necessário reduzir o percentual do duodécimo para que o Executivo mantenha serviços essenciais como Segurança, Saúde e Educação. Mais que isso, demonstrando que o corte equivalerá a cerca de 50% do que habitualmente sobra no caixa dos demais poderes e que, como tem havido aumento de receita, na verdade o valor final deve ser até maior. Já da parte dos demais poderes, a distribuição de uma nota pública conjunta, assinada pelo presidente do Tribunal de Justiça (TJ-SC), Rodrigo Collaço, pelo procurador-geral de Justiça (MP-SC), Fernando da Silva Comin, pelo presidente do Tribunal de Contas (TCE-SC), Adircélio de Moraes Ferreira Júnior, pelo reitor da Universidade do Estado (Udesc), Marcus Tomasi, e até pelo presidente da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), Joares Ponticelli, prefeito de Tubarão. No texto, o reconhecimento do esforço do governador Carlos Moisés para equilibrar as contas do Estado, ao mesmo tempo em que afirma que reduzir o duodécimo dos poderes "não será capaz de equacionar o crônico descontrole das contas do Executivo" e que a medida deixará os orçamentos "colapsados". A redução do repasse de duodécimos é apenas uma das abordagens da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) em tramitação no Legislativo. Os humores estão quentes e podem ficar ainda mais aquecidos hoje, quando o assunto estará em debate na Comissão de Finanças da Assembleia.

E a contrapartida?

A bomba está no colo do presidente da Comissão de Finanças e Tributação, deputado Marcos Vieira (PSDB). Experiente pelo longo tempo acumulado na posição, disse estar tranquilo para a reunião de hoje, mas fez uma série de questionamentos. O primeiro e mais enfático foi sobre a contrapartida. Reclamou que o governo não mostra como vai fazer para economizar os mesmos valores que pretende obter com a redução do duodécimo; afirmou que o governo quer enfiar a proposta "goela abaixo", sem sequer conversar; e acrescentou que, mesmo que quisesse, não poderia deixar passar a proposta, por ser inconstitucional, já que quebra o princípio de liberdade e harmonia entre os poderes. O relatório de Vieira é pela manutenção dos percentuais como estão e ele acredita que será aprovado. "É um relatório puramente técnico", defendeu. Entretanto, o secretário Douglas Borba disse que há um outro relatório, que Vieira desconhece, e que deve ser apresentado pelo deputado Sargento Lima (PSL). Caso o Executivo seja derrotado hoje, poderá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). "Mas lá também não terá guarida", decretou Marcos Vieira.

Enigmático 

O secretário da Casa Civil, Douglas Borba, mostrou-se confiante na entrevista que concedeu ontem à Coluna Pelo Estado. Disse que já não se justifica faltarem recursos para serviços e investimentos por parte do Executivo enquanto há sobra nos demais poderes. Questionado para o caso de a proposta do governo não passar, ele foi enigmático: "Nós preferimos não comentar isso antes de acontecer a votação na Comissão de Finanças. Reitero a confiança do governador nos deputados que compõem a comissão e tenho certeza de que eles vão ter muita responsabilidade para votar a matéria."

Por que a Fecam assina a nota junto com TJ-SC, MP-SC, TCE-SC e Udesc, uma vez que não recebe duodécimo? É que na LDO o governo propõe uma modificação do conceito de Receita Líquida Disponível (RLD), sobre a qual são calculados os repasses, incluindo aí o feito aos  municípios. A proposta, segundo a nota conjunta, é reduzir percentuais por meio de decreto do Executivo, "em prejuízo à segurança jurídica e estabilidade orçamentária dos entes". O documento alerta que a desvinculação de receitas tributárias, sem registro na fonte do repasse, pode gerar uma perda adicional de até 30% aos poderes e municípios.

Outro motivo para a Fecam ser contra a proposta é que em outro projeto, à parte da LDO, o governo propõe a criação de um fundo para concessão de incentivos fiscais de ICMS. Só que o ICMS deve ser repartido com os municípios, em percentuais pré-definidos. Ou seja, com o dinheiro indo para o fundo de incentivos fiscais, os municípios, que já estão em penúria, perderiam mais dinheiro.

Publicidade Posts

Publicidade Posts

Compartilhe isso
Comentários

Olá, deixe seu comentário para Cada um com sua razão

Enviando Comentário Fechar :/