viva-bicho-81

Viva Bicho

viva-bicho

Viva Bicho

Publicidade Posts

tmw-telecom

TMW Telecom

Investimentos viabilizados pelo BRDE no primeiro semestre de 2020 atingem cifra bilionária

As operações contratadas totalizaram R$ 1,3 bilhão. Quando somados às contrapartidas dos empreendedores, os financiamentos viabilizaram R$ 1,6 bilhão em investimentos no Sul.

Investimentos viabilizados pelo BRDE no primeiro semestre de 2020 atingem cifra bilionária

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) encerrou o primeiro semestre de 2020 ampliando sua atuação no Sul do país e reforçando o papel de destaque no financiamento do setor produtivo local. Apesar do cenário de incerteza em função da pandemia, as operações contratadas totalizaram R$ 1,3 bilhão. Quando somados às contrapartidas dos próprios empreendedores, os financiamentos viabilizaram R$ 1,6 bilhão em investimentos na Região Sul, crescimento de 12,5% em comparação com igual período do ano anterior.

O resultado possibilitou a manutenção ou geração de 29 mil postos de trabalho no período e incremento de R$ 176 milhões/ano em impostos para os Estados da Região. O desempenho foi impactado positivamente por diversos fatores, como a ampliação de operações com recursos próprios, o aumento do limite de instituições como o BNDES, e a manutenção do nível de inadimplência em um patamar muito abaixo da média do Sistema Financeiro Nacional (SFN).

Os dados contábeis mostram que o sistema BNDES segue como a principal fonte de recursos, com 51,9% das operações contratadas no período. O percentual representa uma redução de quase 11 pontos percentuais em relação ao balanço de 2019, e consolida a estratégia do BRDE de reduzir a dependência desta fonte de financiamento.

Em contrapartida as operações com recursos próprios representam 27,4%, alcançando R$ 357,1 milhões, quatro vezes mais que o mesmo período de 2019. CEF/FGTS é a terceira principal fonte de recursos, com 8,9%, seguido pela Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), com 6%. O restante dos recursos disponibilizados pelo BRDE vem do Finep (3,2%), Fungetur (2,1%), Funcafé (0,3%) e FCO (0,2%).

“A redução da participação do BNDES e a diversificação cada vez maior de fundings, inclusive internacionais, tem a intenção de aumentar a resiliência do banco no caso de restrição de alguma fonte de financiamento”, explica o Diretor-Presidente da instituição, Luiz Corrêa Noronha.

Um dos destaques do semestre foi a implementação do Recupera Sul, um programa de crédito emergencial para recuperação da economia dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A ação disponibilizou R$ 300 milhões de capital próprio do BRDE para capital de giro de micro, pequenas e médias empresas; além de microempreendedores individuais (MEI) afetados pela pandemia. Em paralelo a instituição postergou o pagamento de contratos que, juntos, totalizam R$ 3 bilhões, permitindo aos empreendedores do Sul, passarem com mais tranquilidade pela crise.

“Nos posicionamos mais uma vez como um ente importante para o setor produtivo, em um momento crítico da economia e da nossa história recente”, complementa Noronha.

Destaques operacionais do BRDE

Até o dia 30 de junho a instituição realizou 1.286 novas operações de crédito, incremento de 19% em comparação com o mesmo período de 2019. Os setores de Comércio e Serviços, tiveram a maior participação com 655 operações, seguido pela Indústria (245 operações); Agropecuária (218 operações) e Infraestrutura (168 operações).

A evolução dos números, acredita o Diretor de Operações Wilson Bley Lipski, se deve à modernização de processos. Diversas soluções do programa BRDE 6.0 que deveriam ser implementadas ao longo do ano, foram antecipadas em função da pandemia e facilitaram o acesso ao crédito durante os meses de março, abril, maio e junho. “Essa reestruturação modernizou o acesso ao BRDE. Isso nos permitiu automatizar muitas etapas, e com isso atender de maneira mais rápida e efetiva a crescente demanda por crédito”, assegura.

Segundo ele, mesmo com atuação regional o BRDE continua com destacado papel no cenário agrícola nacional. É o principal repassador nacional do Programa Agrícola Prodecoop (para desenvolvimento de cooperativas), do Pronaf Investimento, e das operações via Canais Digitais para o Setor Público.

Destaques financeiros

O lucro líquido do BRDE no período somou R$ 83,1 milhões no primeiro semestre, redução de 24,2% em relação ao mesmo período de 2019. “É um desempenho 12% melhor que o projetado, que já considerava os impactos negativos da crise em função da pandemia”, explica o Diretor Financeiro, Marcelo Haendchen Dutra.

O ativo total chegou a R$ 16,6 bilhões. No dia 30 de junho a carteira de crédito somava R$ 13,1 bilhões, distribuídos em 36.319 operações ativas de longo prazo, com saldo médio de R$ 359,7 mil. Os mais de 33 mil clientes estavam distribuídos por 91.3% dos municípios da Região Sul. Entre os setores de atividade com financiamentos no período, a agropecuária respondia por 28,7%; comércio e serviços, 25,5%; a indústria por 23,0%; enquanto o setor de infraestrutura representava 22,8% do total.

“Há quase uma paridade entre os setores atendidos, o que nos faz crer que estamos ajudando a desenvolver a economia do Sul de maneira sustentável e harmônica”, complementa Dutra.

Outro fator relevante para o excelente resultado semestral foi a redução do índice de inadimplência (a partir de 90 dias), passando de 0,88% em junho de 2019 para 0,51% no mesmo período deste ano. O percentual alcançado pelo BRDE é inferior ao apresentado pelo conjunto de bancos públicos (2,63%) e inferior ao de todo o Sistema Financeiro Nacional – SFN (2,88%).

Nos primeiros seis meses do ano as receitas resultantes de recuperação de créditos baixados em prejuízo alcançaram R$ 51,5 milhões, o que corresponde a um crescimento de 40,8% em comparação ao mesmo período de 2019.

“Mas a principal notícia do período foi a possibilidade de postergar contratos e, com isso, garantir mais tranquilidade aos empreendedores durante o período mais crítico da pandemia e da crise”, diz o Diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito, Vladimir Arthur Fey. Segundo ele, dos contratos aptos 2.443 – que totalizam R$ 3 bilhões – foram repactuados e tiveram as parcelas suspensas por pelo menos seis meses.

Destaques administrativos

Os desafios apresentados pela pandemia provocaram uma série de adaptações na rotina do BRDE. O Banco criou um plano de contingencia e estabeleceu ações para proteger os colaboradores e manter a continuidade das operações, priorizando o trabalho remoto. O plano considera as diretrizes dos Estados controladores e das prefeituras onde o Banco possui unidades.

Entre as medidas adotadas está a limitação do acesso às agências, reforço das medidas de higiene e limpeza, além de um trabalho de orientação aos mais de 400 colaboradores e terceirizados. “O esforço é para que a operação do banco não seja prejudicada, mas que, ao mesmo tempo a saúde da equipe não seja ameaçada”, diz o Diretor Administrativo Luiz Carlos Borges da Silveira.

Publicidade Posts

Publicidade Posts

Compartilhe isso
Comentários

Olá, deixe seu comentário para Investimentos viabilizados pelo BRDE no primeiro semestre de 2020 atingem cifra bilionária

Enviando Comentário Fechar :/